Nova Odessa

Prefeito Leitinho representa Nova Odessa em reunião do Conselho da RMC

0

O prefeito de Nova Odessa, Cláudio José Schooder, Leitinho (PSD), participou na manhã da terça-feira (19/01), em Jaguariúna, da primeira reunião do ano do Conselho de Desenvolvimento da RMC (Região Metropolitana de Campinas), do qual fazem parte os 20 prefeitos das cidades da metrópole, dos quais 13 foram assumiram pela primeira vez o cargo. Com 17 dos 20 prefeitos presentes, foi também um dos encontros mensais com um dos maiores quóruns da história do organismo regional – formado também por 20 representantes do Governo do Estado.

No encontro, foram debatidos, entre outros temas, a necessidade de ampliação dos leitos para pacientes com Covid-19 em hospitais de referência da região, a proposta de calendário para a volta segura das aulas nas redes municipais de Ensino e a eleição do novo presidente do Conselho.

Candidato único e de consenso, o experiente prefeito hortolandense Angelo Perugini (PSD) foi aclamado por unanimidade no cargo pelos colegas e pelos representantes do Governo do Estado no Conselho, tendo Gustavo Reis (MDB), de Jaguariúna, como vice. O Conselho de Desenvolvimento tem a Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas), vinculada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional, como seu braço executivo, e conta com recursos do Fundocamp (Fundo de Desenvolvimento Metropolitano de Campinas) para a execução de projetos de interesse regional.

“Tenho certeza que a RMC estará muito bem representada pelo Perugini e pelo Gustavo diante tanto do Governo do Estado quando do Governo Federal, da Câmara dos Deputados e do Senado, pois são dois gestores públicos muito experientes e que têm profundo conhecimento não só das suas cidades, mas da região como um todo. São duas pessoas em que Nova Odessa deposita total confiança para nos representar nos pleitos regionais”, apontou Leitinho ao microfone.

“O presidente do Conselho da RMC tem um papel de articulação, de motivador dos demais prefeitos a participarem das discussões sobre os temais de importância comum e regional, e também de garantir que tenhamos uma forte representatividade junto aos governos, conquistando programas e recursos para nossas cidades, sempre com muito diálogo. É isso que nos propomos a fazer, principalmente nessa fase difícil pela qual passa nossa Economia, em que precisamos de recursos externos”, afirmou Perugini.

“O ‘cidadão metropolitano’ tem problemas em comum. Nossa união é fundamental para entendermos nossas necessidades comuns e obter recursos para atender essas necessidades. Com uma boa articulação, a RMC tem a força de ser a terceira metrópole mais importante do Brasil. Uma coisa é irmos a Brasília como prefeito de uma cidade, outra é chegarmos lá como uma grande região metropolitana – ai temos muito mais condições de conseguir as coisas”, acrescentou Reis.

LEITOS E AULAS

Os prefeitos presentes deliberam inicialmente pela reivindicação, junto ao Governo do Estado, pelo imediato aumento do número de leitos para pacientes com Covid-19 em hospitais de referência na região. O motivo principal foi apontado pelo prefeito de Campinas, Dário Saadi (Republicanos), segundo o qual a ocupação destes leitos já está muito perto do nível em que a RMC possa ter que voltar para fases mais restritivas do Plano São Paulo (atualmente, as 42 cidades do DRS 7 estão na “fase amarela”).

Segundo Perugini, o pedido é para o Estado aumente em ao menos 30% o total de “leitos Covid” no SUS da região (atualmente são cerca de 220 disponíveis no total), voltando aos níveis que existiam entre julho e agosto, no auge da 1ª onda da pandemia. O tema seria debatido na própria terça-feira com o Governo do Estado.

Os prefeitos também debateram a proposta da Câmara Técnica da Educação da RMC, formada pelos secretários municipais, de adotar um calendário comum de retorno seguro às aulas presenciais.

Pela proposta, os professores teriam a partir de 1º de fevereiro treinamento em ensino a distância, as aulas online começariam dia 08/02, os professores retornariam às escolas municipais dia 22/02 para nova capacitação (desta vez sobre acolhimento aos alunos seguindo as regras sanitárias) e, finalmente, os alunos voltariam às escolas em 1º de março, divididos em três grupos, com até 35% deles em classe a cada dia, alternadamente.

Foi definido que as prefeituras vão seguir o calendário proposto, mas com liberdade para adequar as datas às realidades de cada município. A Secretaria Municipal de Educação de Nova Odessa deve se manifestar sobre estas datas já nos próximos dias.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa 

paginapopular

Forte explosão destrói fachada de edifício no centro de Madri

Previous article

Aulas na rede municipal de Hortolândia recomeçam em fevereiro, de maneira remota

Next article

You may also like

Comments

Comments are closed.

More in Nova Odessa